A hora de procurar o geriatra sempre foi motivo de conversa e achismo. Afinal, acreditava-se que marcar a consulta com esse médico era apenas para pessoas acima de 65 anos. Hoje, a informação está vencendo o preconceito. Em busca de um envelhecimento ativo e saudável, um número cada vez maior de pessoas mais jovens começam a frequentar o consultório de um geriatra.
           É bom relembrar que envelhecemos desde sempre, mas o processo se acentua a partir dos 35 anos. Nem todo mundo, porém, envelhece da mesma forma ou nas mesmas partes do organismo. O envelhecimento normalmente está associado àquele período da vida em que a pessoa começa a usar óculos, a ter fios de cabelos brancos e, no caso específico das mulheres, com a menopausa.
          Procurar um geriatra logo desde cedo é querer envelhecer com saúde e fazer uma avaliação e aconselhamento amplo, com consultas e exames específicos, levando-se em conta a ocupação, atividade diária e lazer.
           Apesar de a geriatria ser uma especialidade médica que atende pessoas acima de 60 anos, o ideal é começar a freqüentar o Geriatra ao redor dos 35 anos, pois, muitas doenças podem ser evitadas e prevenidas precocemente.
           O geriatra se preocupa com as particularidades da saúde do idoso enquanto a grande maioria das especialidades médicas se dedica a um órgão ou sistema, a geriatria é das poucas especialidades que se dedicam ao indivíduo como um todo e a única que estuda o processo de envelhecimento.
           Ter um geriatra é ter o seu médico e não um médico para cada doença. Aquele que lhe conhece e pode lhe atender, apoiar e orientar a qualquer hora do dia, no consultório, na sua casa e até dentro do hospital se for necessário.
           Afinal de contas, envelhece bem quem se cuida, de forma ativa e preventiva. E para isto nunca se é novo demais.