Hipomelanose macular progressiva, hipomelanose dorsal idiopática ou hipomelanose dos mestiços.
É uma afecção da pele que provoca manchas claras nas partes centrais do tronco, geralmente os médicos mais desavisados tratam como se fosse pitiriase versicolor (pano branco), e com certeza a pessoa que tratou não vê resultado. A maioria das vezes afeta adolescentes e adultos jovens, principalmente do sexo feminino. Pode ocorrer em todas as raças, mas é mais comum em pessoas com pele mais escuras, de morena clara para negra.
A causa ainda é indefinida, mas parece que o micro-organismo Propionibacterium acnes (que é a mesmo micro-organismo responsável pela acne (espinhas)) teria participação no surgimento das manchas, interferindo na produção da melanina, que é a que da a cor na nossa pele.
A doença se caracteriza pelo surgimento de hipopigmentação no tronco, afetando principalmente as regiões centrais, mais comumente no dorso do tórax e região lombar.


Forma manchas arredondadas ou ovalares, que vão aumentando de tamanho e juntam para formar grandes áreas claras, principalmente na área próxima à coluna vertebral.


As lesões são assintomáticas e não apresentam descamação, ao contrario do pano branco que ao passar a unha geralmente descama.
O uso de antibiótico específico para a bactéria (geralmente o mesmo usado na acne, seja o antibiótico oral ou tópico), durante 3 meses, que mostraram bons resultados, com a repigmentação da pele dos pacientes que completaram o tratamento.
A fototerapia com luz ultravioleta natural ou artificial também é uma opção terapêutica, mas não existe ainda um tratamento que elimine a doença definitivamente, impedindo que as manchas retornem.