Essas ulceras são muito comum em pessoas de certa idade que ficam muito tempo em uma posição
só, ou que usam fralda. Na maioria das vezes são idosos acamados ou com muita dificuldade de deambular e ficam sentados na maioria do seu tempo.

 

 

 

A úlcera de pressão pode ser definida como uma lesão de pele causada pela interrupção sanguínea em uma determinada área, que se desenvolve devido a uma pressão aumentada por um período prolongado. Também é conhecida como úlcera de decúbito, escara ou escara de decúbito. O termo escara deve ser utilizado quando se tem uma parte necrótica ou crosta preta na lesão.
          Os fatores que podem ajudar o idoso a ter mais propensão a ulcera são: imobilidade, pressões prolongadas, fricção, traumatismos, idade avançada, desnutrição, incontinência urinária e fecal, infecção, deficiência de vitamina, pressão arterial, umidade excessiva, edema.
            Existem 4 fases da ulceras e essas fases são chamadas de estagio. Essas fases ajudam o medico e também o cuidador a identificar e tratar melhor o problema.
             O local mais freqüente para o seu desenvolvimento é na região sacra, calcâneo, nádegas, trocânteres, cotovelos e tronco.
 
 
 
 
            Existem 4 fases da ulceras e essas fases são chamadas de estagio. Essas fases ajudam o medico e também
o cuida dor a identificar e tratar melhor o problema.
            Estágio I – quando a pele está intacta, mas se observa vermelhidão e um pouco de ulceração de pele.
Estágio II – quando a pele já está perdendo sua espessura, manifestando abrasão, bolha ou cratera superficial.
Estágio III – quando se observa uma ferida de espessura completa, envolvendo a epiderme, a derme e o subcutâneo.
(Estágio IV – quando se tem uma lesão significante, onde há a destruição ou necrose para os músculos, ossos e estruturas de suporte (tendões e cápsula articular).
            O melhor tratamento é a prevenção da ulcera. E essa pode ser feita assim:
 – A pele deverá ser limpa no momento que se sujar. Evite água quente e use um sabão suave para não causar irritação ou ressecamento da pele, tipo de glicerina. A pele seca deve ser tratada com cremes hidratantes de uso comum.
– Evite massagens nas regiões de proeminências ósseas se observar avermelhamento, manchas roxas ou
bolhas, pois isto indica o início da escara e a massagem vai causar mais danos.
– Se a pessoa não tem controle da urina use fraldas descartáveis ou absorventes e troque a roupa assim que possível. O uso de pomadas como hipoglós também ajuda a formar uma barreira contra a umidade.
– O uso de um posicionamento adequado e uso de técnicas corretas para transferência da cama para cadeira e mudanças de posição podem diminuir as feridas causadas por fricção. A pessoa precisa ser erguida ao ser movimentada e nunca arrastada contra o colchão.
– A mudança de posição ou decúbito deve ser feita pelo menos a cada duas horas se não houver
contra-indicações relacionadas às condições gerais do paciente. Um horário por escrito deve ser feito para evitar esquecimentos.
– As pessoas que não estão se alimentando bem precisam receber uma complementação alimentar para que
não fique com deficiências que podem levar a pele a ficar mais frágil.
– Travesseiros ou almofadas de espuma devem ser usados para manter as proeminências ósseas (como os joelhos) longe de contato direto um com o outro. Os calcanhares devem ser mantidos levantados da cama usando um travesseiro debaixo da panturrilha ou barriga da perna.
 
 
 
 
– Quando a pessoa ficar na posição lateral deve-se evitar a posição diretamente sobre o trocanter do fêmur.
– A cabeceira da cama não deve ficar muito tempo na posição elevada para não aumentar a pressão nas nádegas, o que leva ao desenvolvimento da úlcera de pressão.
– Se a pessoa ficar sentada em cadeira de rodas ou poltrona use uma almofada de ar, água, mas nunca use aquelas almofadas que tem um orifício no meio (roda de água), pois elas favorecem o aumento da pressão e a presença da ferida.
 
 
 
 
– Use aparelhos como o trapézio, ou o forro da cama para movimentar (ao invés de puxar ou arrastar) a pessoa que não consegue ajudar durante a transferência ou nas mudanças de posição.
– Use um colchão especial que reduz a pressão como colchão de ar ou colchão de água. O colchão caixa de ovo aumenta o conforto, mas não reduz a pressão. Para a pessoa que já tem a úlcera o adequado é o colchão de Ar ou água.
– Evite que a pessoa fique sentada ininterruptamente em qualquer cadeira ou cadeira de rodas. Os indivíduos que são capazes devem ser ensinados a levantar o seu peso a cada quinze minutos, aqueles que não conseguem devem ser levantados por outra pessoa ou levados de volta para a cama.
 
 
 
 
– Diariamente deve-se examinar a pele da pessoa que pode ter escaras para observar. Se apresentar início de problema não deixar a pessoa sentar ou deitar encima da região afetada e procurar descobrir a causa do problema para que não agrave.
– Para tratamento da úlcera é preciso uma avaliação do profissional do estágio da ferida, porém em todos os casos lave somente com soro fisiológico ou água, não use sabão, sabonete, álcool, mertiolate, mercúrio cromo, iodo (povidine). Não deixe a pessoa deitada ou sentada encima da ferida, veja se as medidas de prevenção citadas acima estão sendo colocadas em prática.