Fotoproteção oral é a expressão utilizada para designar o
uso isolado ou em combinação de diversos ativos capazes de minimizar os danos
desencadeados pela radiação solar.

Enquanto os protetores solares tópicos atuam através da
reflexão e absorção da radiação incidente, evitando que ela atinja a pele, os
fotoprotetores orais atuam em nível celular ou molecular após a incidência da
radiação solar na pele, reduzindo os danos assim gerados.


 

Hoje em dia muitos tratamentos estão visando o uso de fotoprotetor
oral junto com o protetor tópico para garantir um efeito de quase 100% de
proteção da pele.
Hoje em dia o tratamento do terrível melasma ( mancha no
rosto), constitui basicamente de um clareador, fotoproteção tópica e oral,
devido a dificuldade de clareamento da pele só com a proteção tópica, estudos
mostraram que pessoas que utilizaram a fotoproteção oral e resultado foi muito
melhor.
Outras doenças se beneficiam também com a proteção oral
como: tendência a câncer de pele,  urticária
solar, vitiligo, erupção polimorfa a luz entre outras.


 

Lembrando que a fotoproteção oral não substitui a proteção
tópica, os dois tem que ser usados juntos.
Vá ao dermatologista e converse com ele sobre essa novidade,
que não é tão novidade assim.
 Beijos Flávia