Na dermatologia, temos cada nome feio que parece uma doença super perigosa. Toda vez que falo alguns desses nomes para os meus pacientes o olho arregala e eles ficam com a pulga atrás da orelha,e eu tenho que explicar nos mínimos detalhes a afecção.

Acontece muito com o Granuloma anular, que é um processo inflamatório benigno,de causa desconhecida, que leva à degeneração do tecido colágeno. Acredita-se que pode ser devida a uma reação imune do organismo a diversos agentes. É mais frequente em crianças e mulheres jovens e pode estar relacionada ao diabetes, principalmente no caso de lesões disseminadas.

Ele é caracterizado por lesões elevadas, da cor da pele ou discretamente avermelhadas que vão aumentando de tamanho e ganhando aspecto em anel, muitas vezes pode ser confundido com micose por profissional inexperiente. O granuloma anular pode ser pequeno ou grande, ser lesão única ou ter várias.

Geralmente o diagnóstico vem por meio da clinica ou biopsia, e há uma grande possibilidade de ao ser biopsiada a lesão desaparecer por completo.

As lesões podem regredir espontaneamente, sem que seja implementado tratamento, dentro de alguns meses até dois anos, variando de acordo com o quadro.

O tratamento inclui a aplicação de injeções de corticosteroides na lesão ou aplicações tópicas com pomadas ou cremes nas mesmas. Em casos generalizados, o uso de fármacos via oral é necessário. Outra forma de tratamento é a realização de crioterapia com nitrogênio líquido no local.