Brotoeja

O calor chega e com ele algumas afecções de pele que são muito comuns nessa época, é o caso da miliária a famosa brotoeja.
Ela se apresenta como uma erupção cutânea relacionada com as glândulas sudoríparas que são responsáveis pelo suor. Geralmente afeta as crianças, mas também pode atingir os adultos. 
O quadro está relacionado com o aumento do calor e da produção do suor que pode dar uma inflamação na pele.
Os locais típicos são as dobras e o tronco, principalmente nas áreas de atrito das roupas. Tem caracteristicamente um desconforto muito intenso, não só de coceira como uma sensação de queimação. Em bebês as lesões surgem comumente no pescoço, virilhas e axilas. Formam-se bolinhas avermelhadas ou pequeninas bolhas sobre pele avermelhada, podendo, em alguns casos, formar lesões maiores e às vezes até infeccionar por causa do ato de coçar.

Devido à coceira, a pele pode apresentar pequeninas crostas sobre as lesões, devido à ruptura das bolhas pela coçadura.
Para evitar a miliária deve-se usar roupas frescas, tomar banhos frios e se proteger do calor, evitando o excesso de suor. O ar condicionado é um grande aliado no combate à doença ou usar algumas técnicas que refresquem o corpo.
Banhos refrescantes a cada 2 ou 3 horas, sem sabão. Deixe a pele secar ao ar.
Para erupções localizadas, aplique uma toalha facial úmida e fresca por 5 ou 10 minutos.
Vista seu filho com a menor quantidade de mantas e roupas possível.
Baixe a temperatura de sua casa ou use um ventilador enquanto seu filho e você estiverem dormindo.
Durma sobre uma toalha de algodão para absorver a transpiração.

Labio Leporino

           
              Sei que este tema não tem nada a ver com dermatologia nem geriatria, mas é um assunto muito importante, que deixam os pais extremamente abalados quando o seu filho tão amado e esperado nasce com lábio leporino, mas não desanime pois tem cirurgia para melhorar tanto o mal que ele pode causar, quanto a estética.

              Vamos falar um pouquinho desta afecção:
              Popularmente conhecida como lábio leporino, a fissura labiopalatal é uma abertura na região do lábio e/ou palato do recém-nascido ocasionada pelo não fechamento destas estruturas na fase embrionária, isto é, entre a 4ª e a 12ª semana de gestação.
            As fissuras podem ser unilaterais ou bilaterais e variam desde formas mais leves como cicatriz labial ou úvula bífida (“campainha” dividida) até formas mais graves como as fissuras completas de lábio e palato. As fissuras podem deixar o canal oral em contato com o nasal.
           Com a alteração da anatomia da face, há maior risco das crianças aspirarem o alimento provocando infecções como otites e pneumonias. As otites podem causar prejuízos no desenvolvimento da fala e linguagem. As anemias também são freqüentes nas fissuras labiopalatais normalmente solucionáveis com uma dieta balanceada e sulfato ferroso.
          O aleitamento materno é indicado para evitar infecções, combater a anemia e fortalecer a musculatura da face e boca. Conseqüentemente, o ato de sucção faz com que haja aumento no vínculo entre mãe e bebê. Pode ser que a criança precise de um complemento alimentar.
          Sem o devido tratamento, as fissuras podem provocar seqüelas graves, como a perda da audição, problemas de fala e déficit nutricional, além do sofrimento com o preconceito. É possível a total reabilitação do paciente com fissura labiopalatal. Quanto mais cedo a intervenção, melhor. O inconveniente é que o tratamento é longo, tendo início desde o nascimento até a fase adulta, passando por várias cirurgias corretivas e estéticas.
             A primeira cirurgia, de lábio e palato mole, já pode ser realizada aos três meses de idade da criança. Já a cirurgia de palato duro é realizada apenas aos 18 meses de idade. Para uma boa alimentação e a criança não refluir alimento pelo nariz até a cirurgia do palato duro, são desenvolvidas placas palatinas pré-moldadas, de fácil manejo e é realizada orientação da posição correta para alimentar o bebê.
            No Brasil, são encontrados vários centros especializados no atendimento de pacientes com fissuras labiopalatais pelo SUS. 

           Procure a secretaria de saúde de sua cidade e se informe. para você que mora no Rio de Janeiro ou próximo à cidade a campanha será no dia 6 e 7 de Agosto no hospital do Fundão

            Seu filho começou a reclamar que sua cabeça coça, você olhou e na área da coceira tem uma descamação que parece caspa? CUIDADO, pode ser micose.

           Tinea capitis, a famosa micose do couro cabeludo, afeta mais frequentemente crianças abaixo de 10 anos de idade, faixa pré-escolar e escolar e raramente mulheres pós-menopausadas e imunocomprometidos.
         O inicio da micose aparece uma placa de cabelos picotados, com descamação no centro ou com reação inflamatória, a criança refere coceira, fica por um tempo assim e pode complicar formando muitos abscessos ou pus, forma o quadro denominado de Kerion celsii, e pode até deixar cicatriz.
           Como se pega?  De animais contaminados para o homem, de pessoa a pessoa, por contato direto ou indireto através de máquina de cortar cabelo e artigos de toucador. 
           Tem tratamento e a melhor opção é procurar um dermatologista para tratar, pois tratando errado, pode voltar ou pior pode complicar.
           
Em meu consultório não é raro quando uma mãe vem com queixa que seu filho esta todo cheio de “carocinho” que coça, e geralmente coloca a culpa em alguma alergia alimentar.
Quando vamos examinar a criança, esta lá o “carocinho” que a mãe falou com vários ostros e se a gente procurar conseguimos ver o orifício da picada, então já sabemos do diagnótico, alergia a picada de mosquito.
Não é incomum a mãe falar: – mas meu filho não fica sem roupa, como pode ser picada de mosquito.
Acreditem se quizer mas o bico do mosquito é tão fino e tão poderoso que atravessa a roupa que nós usamos, ainda mais se essa roupa for fina.  
Os sintomas da picada de mosquito pode variar de pessoa para pessoa. Além disso, os sintomas podem aparecer imediatamente ou podem vir depois. A reação comum a picada de mosquito é o inchaço causado pela picada de inseto que coça muito. A o vermelhidão  pode entrar em erupção( causar um machucado) depois de algum tempo, se a pessoa coça a região da picada. As reações de mordidas de mosquito desaparecem dentro de horas ou dias no máximo. Sofrer picadas de mosquitos durante vários anos, eventualmente, diminui a gravidade dos sintomas, como o corpo desenvolve imunidade contra estas proteínas. Esta é a razão pela reação alérgica a picadas de mosquito nas crianças é bastante comum.
Tratamento de reação alérgica a picadas de mosquito  envolve o uso de corticosteróides ou anti-histamínicos orais. Tomada de cloridrato de cetirizina em uma base diária durante o verão (quando as picadas de mosquito são muito comuns) também ajuda muito a pessoas com alergias a mosquito.
A prevenção é a melhor maneira de tratar alergia a picadas de mosquito. Uso de repelente com DEET ou máscaras compensados são a melhor proteção contra picadas de mosquito. Além disso, seria sensato levar seus medicamentos anti alergia ao pisar em área habitada por mosquito. Embora, seja raro que uma picada de mosquito se desenvolve em alguma condição médica séria, é melhor consultar um médico, se sentir alguns sintomas incomuns como dificuldade em respirar ou inchaço excessivo de qualquer parte do corpo.

Ectima

           Vamos falar dessa afecção da pele que tem nome de doença perigosa, que pode ser bastante comum em uma deteterminada região.
           A Ectima é uma dermatite estreptocócica de caráter erosivo e ulcerativo que ocorre geralmente em condições de higiene precária ou como resposta a microtraumatismos e se manifesta como úlceras múltiplas bacterianas, revestidas por crostas e localizadas predominantemente nas pernas. 
           Tem início com o aparecimento de vesícula, vésico-pústula ou pústula, que se aprofunda, originando lesão ulcerada recoberta por crosta espessa. Ao regredir, a ectima deixa cicatrizes (uma ou várias).
     Na prevenção limpe todas as lesões ou picadas e aconselhe a criança a evitar arranhá-las ou cutucá-las. 
        Podem ser prescritos antibióticos orais. Compressas quentes (com a utilização de uma toalha embebida em água morna) ajudam na remoção das crostas. A limpeza da lesão com sabão anti-séptico ou peróxido pode ajudar a reduzir a infecção. 
       Como complicações temos:
  • disseminação da infecção para outras partes do corpo
  • infecção sistêmica levando à insuficiência renal (gomerulonefrite pós inflamatória), bem raro de acontecer, mas pode dar
  • dano permanente da pele, com cicatrizes
  Um post curto para uma doença simples, bem…, simples para um especialista, mas para outros é uma doença que pode virar um quebra cabeça pois pode simular outras doenças de pele.