A última novidade do mercado cosmiátrico é a pílula que vale
por um peeling.  Isso mesmo! A pílula vale
para aquelas que não querem se submeter aos famosos peelings químicos, por
causa da ardência, descamação entre outras coisas.
A febre do momento é um composto basicamente de um ativo derivado
do estrato da azeitona, o hidroxitirosol.  Alem de manipulação você ja pode encontrar pronta, pelo nome de 
Oli-Ola TM
A pílula promete deixar a pele mais clara, firme e reduzir
as rugas. Em dois meses já da para ver os resultados.
Gostou da dica, então corre para o seu dermatologista e pede
a receita, pois só com receita médica pode ser vendido.
Preço médio R$ 220,00


Chega o inverno e todo mundo quer fazer peeling, mas infelizmente a maiorias das pessoas entendem muito pouco o que é esse procedimento e o que ele pode fazer por você e contra você.
Eu sei que já falamos aqui sobre peeling, mas nunca e demais falarmos mais um pouco sobre ele.
          Os peelings têm a capacidade de promover uma verdadeira renovação das células que compõem a pele. Por isso, são muito úteis no tratamento do fotoenvelhecimento, rugas finas, manchas, acne, cicatrizes, lesões superficiais pré-cancerosas.
          Além da face, também podemos tratar os braços, mãos, colo, e qualquer outra parte do corpo. Porém, a pele do corpo não tem a mesma capacidade de regeneração da face, de modo que devemos respeitar as restrições de cada local, para evitar complicações.
          Os peelings podem ser físicos, como na microdermoabrasão e peelings a laser. Também podem ser químicos.
Um peeling físico muito conhecido é o de diamante, que pode promover uma esfoliação superficial, alcançando apenas a camada córnea, ou atingir planos mais profundos. Quando feito superficialmente, é conhecido como peeling da hora do almoço, pois no final do dia a pele estará com mais brilho e turgor. Perfeito para aquele desejo de última hora de se sentir mais bonita. Estima-se que seja o segundo procedimento estético mais realizado nos EUA, ficando atrás somente da toxina botulínica. Ele ainda pode ser realizado antes do peeling químico, para aumentar sua penetração.
         Os peelings químicos podem ser superficiais, médios e profundos. Os superficiais promovem uma descamação fina a partir de dois dias após a sua aplicação. Alguns produtos precisam ficar em contato com a pele por algumas horas para penetrar, outros são removidos ainda no consultório. Podem ser feitos com intervalos de três semanas, e são indicados duas a seis sessões.
         Havendo necessidade de um peeling médio ou profundo, será essencial um preparo da pele por no mínimo três semanas, para evitar manchas e acelerar a cicatrização da pele. Após o tratamento, o paciente poderá sentir um leve ardor. Formam-se crostas, que levarão em torno de uma semana para se soltarem.
         A realização do peeling químico está sujeita a complicações, que tendem a aumentar conforme aumenta sua penetração e profundidade. As principais complicações são: eritema, hiper ou hipopigmentação, cicatriz, infecção, prurido e dor. O eritema sempre ocorre no pós-operatório dos peelings devido a fatores como vasodilatação e afinamento da pele, sendo, nesses casos, transitórios.

Eritema, descamação com dor e prurido
        A hiperpigmentação é decorrente do processo inflamatório causado pela agressão química e ocorre mais frequentemente em pacientes com pele morena. Essa complicação deve ser tratada com clareadores (em geral hidroquinona) e filtro solar. 

Hiperpigmentação após peeling
        A cicatriz hipertrófica é mais frequente nos peelings profundos, podendo também ocorrer em locais finos como pálpebra e área de transição da mandíbula. Deve ser tratada com infiltração de corticóides e uso de placas de silicone.

Cicatriz hipertrofica pos peeling
        A hipopigmentação também é associada à peelings profundos, causada pela destruição de melanócitos, sendo o tratamento muito difícil quase impossível nessas situações.

Hipocromia pos peeling

           O peeling deve ser indicado e realizado pelo médico. Somente o especialista é capaz de escolher o melhor produto químico na concentração adequada e também dominar os efeitos colaterais que possam estar envolvidos. Mesmo no caso dos peelings superficiais é importante avaliar a capacidade de resposta e a cicatrização da pele, além das relações custo – benefício do procedimento em questão.

Dual Peel

Um peeling que quase não se houve falar, mas é um dos meus preferidos, principalmente no inverno, pois o procedimento hidrata profundamente a pele do rosto.
Como é feito? Simples: com a ajuda da ponteira de diamante e a pressão do vácuo, é feita uma microdermoinfusão dos ativos, eu gosto muito de fazer com colágeno ou vitamina c, ou seja, ao mesmo tempo em que a pele é esfoliada, ela recebe substancias que irão tratá-la. Após a aplicação sua pele poderá ficar um pouco avermelhada, mas desaparece em algumas horas.
Você pode fazer esse peeling com intervalo mínimo de 15 dias.

Peeling de Diamante – É um tratamento de renovação celular que devolve a elasticidade, clareia as manchas, diminui a oleosidade e a acne e ainda é e menos agressivo que alguns peelings químicos. O método consiste em uma microdermoabrasão superficial, onde é usada uma ponteira de diamante que desliza sobre a pele promovendo uma esfoliação. O principal objetivo desse peeling é refazer a superfície da pele, reduzindo as rugas finas e diminuindo os poros que estão dilatados. É um peeling leve e retira somente uma parte da epiderme, podendo ser usado para preparo da pele para peelings químicos ou usado isoladamente com bons resultados.

Peeling de cristal – O peeling de cristal atua no tratamento de seqüelas de acne, quelóides e cicatrizes pós-trauma (queimaduras), sulcos e rugas superficiais e profundas (rejuvenescimento), manchas em geral, estrias e poros dilatados. Através de um sistema avançado, jatos de cristais de óxido de alumínio são projetados sobre a pele realizando uma microdermoabrasão, removendo até as camadas mais profundas da pele estimulando o crescimento de uma nova camada e a produção de colágeno. Por ser um método mecânico, não deixa resíduo, o que possibilita a exposição à luz solar sem danos à pele.

Antes e depois:  


            Ainda é possível ter uma pele lisinha para o verão com os peelings da estação – A estação mais esperada do ano bate à porta e é justamente nesta época que as pessoas querem ficar com o corpo em dia e a pele renovada.      Quem pensa que no verão é impossível ter uma pele rejuvenescida e brilhante está muito enganado.

         Mesmo quem não abre mão de ir à praia ou piscina e expor-se aos raios solares e mesmo assim quer retirar as manchas do verão passado é só utilizar os peelings corretos, que não atuam por queimadura e sim como remédios despigmentantes, claro que sempre usar MUITO filtro solar.

         Para o verão, o peeling de cristal ou de diamante é uma excelente opção por ser feito através da projeção de microcristais por ter uma ação mecânica, ele não deixa resíduos na pele. diferente dos outros peelings, que são feitos com substâncias ácidas e geralmente deixa resquícios de acido no rosto.

         

          Para você que ama o verão e também está cuidando da pele, esse seria o melhor peeling para fazer, mas mesmo sendo indicado para o verão, eu não aconselho muito, a não ser se você tiver um evento e quiser ir com uma pele de seda.

Categorias:
Tags: